Login
O evento já encerrou...
Américas Negras em perspectivas: Racismos e antirracismos, BRASIL, AMÉRICA LATINA E ESTADOS UNIDOS
Carregando recomendações...
Evento encerrado
Parcele sua compra em até 12x

Américas Negras em perspectivas: Racismos e antirracismos, BRASIL, AMÉRICA LATINA E ESTADOS UNIDOS

7 set - 2020 • 19:00 > 21:00

Evento Online

Descrição

Minicurso "Américas Negras em perspectivas: Racismos e antirracismos. BRASIL, AMÉRICA LATINA E ESTADOS UNIDOS"

De 07 a 13 de setembro (segunda a sexta, das 19h às 21h; sabádo e domingo, das 18h às 20h). Via plataforma Google Meet.

Carga horária de 14h com certificação.

 

APRESENTAÇÃO

Se o racismo antinegro tem seu processo histórico diretamente ligado ao capitalismo, nem por isso suas dinâmicas em diferentes geografias seguiram os mesmos passos e nem mesmo assumiram os mesmos contornos. Há, contudo, um traço que o configura em todos os quadrantes. A violência. Cotidiana ou esporádica, juridicamente instituída, ou como sinistro legado da tradição e do terror racial advindo dos sistemas de plantations (grandes propriedades coloniais). Mas, também parecem terem sido aprimorados os mecanismos de apartação, segregação, discriminações negativas, inscritas ou não nas jurisdições republicanas, com seus sistemas de exclusão, privilégios e legitimações raciais. Nos diferentes setores populacionais nacionalizados, no interior dos estados ditos modernos e suas respectivas fronteiras é o que se viu, sentiu e as vezes narrou. Ainda ensaiamos uma leitura/escrita efetivamente internacionalista do Racismo Mundial Antinegro, assim como do Antirracismo.

Não obstante, em todos quadrantes das Américas, desde o século XIX, as intelectualidades e formas variadas de estratégias e de formas de lutas políticas negras apontam tais prejuízos, desigualdades e práticas violentas. Os movimentos negros são, portanto, ensejos de cidadania e reparação com ampla repercussão social não midiática, memória fragmentária e por vezes, baixa visibilidade transnacional.

As mídias e sistemas de comunicação, via de regra controladas pelas corporações  privadas, de expressão brancocêntrica até a medula, ao mesmo tempo que alimentam as hierarquias raciais, tornam ainda mais legítimos, opacos ou incompreensíveis os sistemas raciais de opressão.  Algoritmos de programação eugênica estão em operação em várias camadas das redes sociais influindo tanto o mundo do consumo, como decisões importantes ao nível dos sistemas políticos convencionais e também naqueles incógnitos.

As mobilizações sociopolíticas interraciais e interétnicas que eclodiram após o assassinato de George Floyd, surpreenderam não apenas por seu caráter denso e espontâneo, como também por sua duração e radicalidade. A ausência de um fórum ordenador e o caráter policêntrico das ações dificultou a pronta e costumeira repressão, tal como se via desde fins da década de 1990. O que aconteceu de inovador? Quais mudanças ocorreram? Qual a longevidade desse estado de ânimos e possíveis desdobramentos?

No Brasil, no entanto, em diferentes espaços-tempos, desde a década de 1970 ao ativismo antirracista tem se desdobrado para lançar no horizonte fios de radicalidade, porém o arranjo institucional autoritário, com ou sem jogo eleitoral, não deixa escapar por um único espaço que seja as tentativas de revolta e até mesmo de denuncia. O colonialismo interno e a modernidade reacionária das elites assentadas sobre a base do racismo estrutural, agora da sinais esgotamento. Talvez por isso as novas elites  se antecipam e acenam com sua indisfarçável  força destrutiva, preconizando abertamente o genocídio racial (afroindígena) e a possível fragmentação do território nacional.    

O minicurso, organizado por Aruanda Mundi, reúne especialistas e ativistas antirracista do Brasil e EUA, com intenção de historicizar os debates e tais acontecimentos à luz das pesquisas e estudos sobre racismo e antirracismo nas duas sociedades. Ambas, historicamente marcadas, tanto pelo colonialismo escravista, como pela luta antirracista.

 

FORMADORES/AS

Clifford Andrew Welch 

Nasceu em San Francisco, Califórnia nos EUA. Doutor em História pela Duke University (EUA) em 1990, é professor de História do Brasil Contemporâneo nos programas de graduação e pós-graduação do Departamento de História da Universidade Federal de São Paulo – Unifesp, onde ministra aulas sobre a história dos Estados Unidos e Brasil. De 1990 a 2010, era professor da história do Terceiro Mundo em Grand Valley State University (EUA), onde também ministrou aulas comparativas sobre os EUA, Brasil e a história de outros países.  


Deivison Nkosi Faustino

Doutor em Sociologia e Professor do Departamento de Saúde, Educação e Sociedade da UNIFESP. É integrante do do Instituto Amma Psique e Negritude e autor dos livros "Frantz Fanon: um revolucionário, particularmente negro" e "A disputa em torno de Frantz Fanon: a teoria e a política dos fanonismos contemporâneos". Tem experiência com os temas relacionados às relações raciais contemporâneas e pensamento antirracista. 


Danielle Almeida

Mestre em Ciências da Educação pela Universidad de Monterrey (México); especializada em História da África e dos Afro-brasileiros pela UFMG e Casa das Áfricas; licenciada em Canto pela Universidade Federal de Pelotas.


Flavia Rios

Nasceu no Espírito Santo em 1979. Bacharel e licenciada em Ciências Sociais, mestre e doutora pela Universidade de São Paulo. Foi bolsista da Fundação de Amparo à pesquisa do Estado de São Paulo e Visiting Student Researcher Collaborator em Princeton University. É associada à Associação Nacional  de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs), à Latin American Association (LASA) e à Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS), onde atua na área das relações raciais. Tem pesquisado e publicado livros e artigos sobre Movimentos Sociais, protestos políticos, desigualdades políticas e feminismos e intelectualidade negra.


Jossianna Arroyo Martínez

Professora titular do Department of African and African Diasporas e o Department of Spanish and Portuguese na The University of Texas, Austin. As suas áreas de pesquisa são, afro-diásporas nas Américas, feminismo, género, culturas negras nas Américas, critical race studies, colonialidade e pos-colonialidade. Tem publicado em revistas académicas no Brasil, Puerto Rico e os Estados Unidos. É autora de Travestismos culturales: literatura y etnografía en Cuba y Brasil (2013, 2da edição, 2020 (Almenara Press) uma análise das fiçcões culturais sobre as populações negras em Gilberto Freyre e Fernando Ortiz e alguns romances brasileiros e cubanos; e Writing Secrecy in Caribbean Freemasonry (2013), uma análise da maçõnaria negra e crioula nos fins de século no Caribe (1850-1898).


Salloma Salomão Jovino da Silva

Desde 1985 é educador. A partir de 1993 ingressou na rede pública estadual de educação. Em 1997 passou a atuar com formação continuada de professores/as pela Unifesp, CEERT, CUFSA, Fundação Perseu, Instituto Paulo Freire, UFSCAR, Fundação Perseu Abramo e Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. Doutorado em História pela PUC-SP, com estágio na Universidade de Lisboa. Pesquisas realizadas no Brasil, Portugal, Senegal e EUA. Com diferentes parcerias, seus trabalhos autorais mais recentes são o Livro Negras Insurgências, a peça musical Agosto na Cidade Murada (2018) e a trilha sonora do Filme Todos Mortos, selecionado para a mostra competitiva do Festival de cinema de Berlim 2020.


Weber Lopes Góes 

Bacharel e Licenciado em História, Especialista em Ciências Sociais pelo Centro Universitário Fundação Santo André (CUFSA); Mestre em Ciências Sociais pela UNESP/Marília; Doutorando em Ciências Humanas e Sociais pela UFABC; Professor do Colegiado do Curso de Serviço Social na Faculdade de Mauá/FAMA e autor do Livro"Racismo e eugenia  no pensamento conservador brasileiro: a proposta de povo em Renato Kehl". 


Data/Horário

Formador(a)/Aula



07/09 (Segunda-feira) às 19h

Jossiana Arroyo


 #BlacksLivesMatter e Afrolatinidade: Reflexões desde a colónia mais antiga do mundo



08/09 (Terça-feira) às 19h

Deivison Nkosi


O caminho colonial do capitalismo brasileiro: fantasmas de um passado presente


09/09 (Quarta-feira) às 19h

Flávia Rios


Feminismo Negro: teoria e prática



10/09 (Quinta-feira) às 19h

Weber Lopes


 #BlacksLivesMatter e Afrolatinidade: Reflexões desde a colónia mais antiga do mundo


11/09 (Sexta-feira) às 19h

Danielle Almeida


América Latina Negra: um  mundo a ser aprendido



12/09 (sábado) às 18h

Clifford Welch


O problema da permanência “da linha da cor” na história dos Estados Unidos



13/09 (domingo) às 18h

Salloma Salomão


 Seria possível conhecer a história da raça e do racismo no processo formação da sociedade contemporânea?

 

 TODOS OS ENCONTROS/AULAS POSSUEM BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA, A SER ENCAMINHADA APÓS A INSCRIÇÃO

Termos e políticas

Como acessar o evento

O organizador ainda não definiu como este evento será disponibilizado aos participantes.

Saiba como participar deste evento:

Antes de tudo,
cadastre-se ou acesse sua conta com o mesmo email usado no pedido.
Acesse a aba Ingressos no site ou no app Sympla disponível para iOS e Android
Selecione o evento desejado e toque no botão acessar evento
Pronto! O link de acesso também será enviado para você por email.

Sobre o organizador

Américas Negras em perspectivas: Racismos e antirracismos, BRASIL, AMÉRICA LATINA E ESTADOS UNIDOS

Aruanda Mundi

Aruanda Mundi é um coletivo empresa com foco na divulgação de atividades, eventos e trabalhos de artistas que tenham como base, especialmente, a cultura afro-brasileira

Métodos de pagamento

Parcele sua compra em até 12x

Compre com total segurança

Os dados sensíveis são criptografados e não serão salvos em nossos servidores.

Precisando de ajuda?

Acessa a nossa Central de Ajuda Sympla ou Fale com o produtor.